blogINDIE 2006



Assista aos filmes japoneses da Mostra SP

A Fundação Japão, que faz a difusão da cultura japonesa no Brasil, nos mandou este recado: assista aos filmes japoneses na Mostra de SP. E achei uma ótima idéia já que o Japão produz muito por ano ( acho que mais de 300 filmes) e quase nada chega comercialmente por aqui.

Aliás o cineasta japonês Hirokazu Kore-Eda de Maborosi, Depois da Vida e Ninguém pode Saber faz parte do Júri Oficial. (Um parênteses para o júri que será formado também, pelo cineasta português Pedro Costa, pelo francês Jean-Paul Civeyrac, pela brasileira Lúcia Murat, e o tunisiano Férid Boughédir). Eles escolherão os melhor filme a partir dos mais votados pelo público na primeira semana da Mostra.

Bem, mas vamos aos japoneses:

O AMOR PULSA MAIS RÁPIDO QUE SANGUE, Hideki Kitagawa
Primeiro filme do diretor, história sombria com sexo, pactos e sangue. Foto acima.

Mihiro mata seu tio, que a estuprou ao se aproveitar de sua condição desesperadora. Abandonando a casa pela primeira vez na vida, ela conhece Hideki, que luta contra seu caos psicológico. Ele a encontra torturando-se por causa do trauma e então se sacrifica numa “performance de pintura com sangue” para assim compartilhar da mesma dor e sofrimento. Eles se isolam no ateliê e se ocupam fazendo sexo. Ao perceberem que o sangue determina a emoção e o desejo de ambos, finalmente cortam seus corpos e sugam um o sangue do outro. E acreditam que espiritualmente se tornarão um só depois de se conectarem tão profundamente.

CÉU DE DEZEMBRO, Hiroshi Toda
Todos precisam de sorte vez ou outra. Um homem que perdeu o rumo em sua vida procura por sorte com a ajuda de um jovem punk e de um velho adivinho.
Toda faz filmes desde os 15 anos. Entre suas produções mais recentes estão Six-Jizo (2001), Snow in Spring (2003), September Steps (2005), Spring in the Park (2006) e Memória de Setembro ( 2006) que também será exibido na Mostra.

CONTOS DE TERRAMAR, Goro Miyazaki
A animação é protagonizada por Ged, que um dia foi o maior feiticeiro de Terramar. Quando ainda era jovem, sedento por poder e conhecimento, ele mexeu com segredos seculares e liberou uma terrível sombra por todo o mundo. Agora coisas estranhas acontecem em Terramar.

Miyazaki nasceu em 1967, em Tóquio, no Japão. É filho de Hayao Miyazaki, mestre da animação japonesa e responsável pelos sucessos A Viagem de Chihiro e O Castelo Animado (2004).

ETERNAMENTE SEU, Atsushi Ogata
Curta: Quando um espertalhão desonesto tenta tirar vantagem de uma velha senhora sem memória, surpresas o aguardam.

GLÓRIA AO CINEASTA!, Takeshi Kitano
O famoso diretor Takeshi Kitano tenta realizar o filme definitivo para os amantes de cinema de todo o mundo, mas descobre que isso não é tão fácil quanto parece. Ele já está perturbado pelo fato de ter declarado que pararia de dirigir filmes violentos apesar dos sucessos prévios com produções sobre a máfia japonesa, a Yakuza. Determinado a repetir a boa bilheteria, Kitano pensa em todos os gêneros possíveis para seu novo projeto.

HANA, Hirokazu Kore-Eda
O ano é o de 1702. Um jovem samurai, Aoki Sozaemon deixa sua casa no campo, e agora vive em Edo (hoje Tóquio). Procura por Kanazawa Jubei, o homem que matou seu pai. Ele nunca esqueceu a pergunta que deveria fazer para identificar o inimigo e dar procedimento à sua vingança.

HULA GIRLS, Lee Sang-il
Corre o ano de 1965 no Japão e o país começou a substituir o carvão pelo petróleo. As tradicionais cidades mineradoras começam seu longo e lento declínio. Mas numa pequena cidade ao norte, seus líderes e os diretores da companhia mineradora local tiveram a idéia de desenvolver o primeiro vilarejo havaiano do Japão. E o que seria um vilarejo havaiano sem uma companhia de dançarinas de hula-hula? Primeiro filme de Lee Sang-il.

MEMÓRIA DE SETEMBRO, Hiroshi Toda
Fazendo trilha com um amigo na montanha, Aya faz uma parada num velho estúdio de máscaras para teatro nô, pega de surpresa por forte chuva. No ateliê, ela vê o mestre esculpir uma máscara de madeira de um oni (ogro cruel), que misteriosamente abala sua alma. Aya vive sozinha numa cidade, onde não encontra um lugar em que se sinta bem. Um dia, ela volta a subir à montanha, dessa vez por sua conta, e conhece num santuário um velho homem com a esposa em cadeira de rodas. O velho guardião da floresta a convida a ir a sua casa deserta, o outro estúdio de máscaras. Seguido de Aya, ele se adentra cada vez mais na montanha. Essa área, no entanto, é conhecida como o lugar para onde muitas pessoas vão e de onde nunca mais retornam.

SUKIYAKI WESTERN DJANGO, Takashi Miike
Centenas de anos depois da Batalha de Dannoura (1185), em um remoto vilarejo japonês na montanha, a tensão re reinstala. A gangue de branco Genji, ligada ao clã Minamoto e liderada por Yoshitsune, e a gangue de vermelho Heike, do clã Taira chefiado por Kiyomori, entram em confronto brutal por causa de rumores de que por ali havia ouro. Quando um forasteiro sem nome, marcado por um passado negro e dono de notáveis habilidades com armas, chega à cidade, agora um vila fantasma, as gangues rivais especulam qual lado ele escolherá. Lutas de poder, traição, luxúria e amor cobrem a terra com sangue, e a histórica rivalidade dos clãs parte para uma selvageria típica dos “macaroni western”, como são conhecidos os “spaghetti western” no Japão. Extravagante e num tom cômico negro e surreal, o filme bebe na fonte dos faroestes italianos B e conta com uma aparição especial do diretor Quentin Tarantino, fanático pelo gênero.

VENTOS DO ZERO, Toshi Shoya
Baseado na verdadeira história de uma mãe que mudou uma lei de trânsito no Japão, em 2001, após colher mais de 375 mil assinaturas para petição. Quando estava para começar seu primeiro semestre na universidade, seu filho foi atropelado por um carro. O motorista bêbado foi condenado a apenas cinco anos de prisão, apesar de ter deixado dois garotos mortos e de ter sido o terceiro acidente grave que ele provocou. Ainda assim, essa era a pena máxima na legislação japonesa. O único motivo que ainda permite à heroína seguir com sua vida é sua intensa imaginação como artista e como mãe.

Para saber mais sobre os filmes, diretores, o dia e a sala confira no site da 31a Mostra Internacional de Cinema de SP
  Francesca Azzi    quarta-feira, outubro 17, 2007
 
 
[^] ir para o topo
INDIE :: Mostra de Cinema Mundial

Zeta Filmes | INDIE FESTIVAL | 
::: visite o web-site do indie 2006
     + Zeta Filmes
     + Indie - Mostra de Cinema Mundial
     + Fluxus
     + New Directors New Films
     + Plexifilm
     + IndieWIRE
     + Le Cube
     + Jonas Mekas
     + Miranda July
     + Cao Guimarães
     + Moira Hahn
     + Roberto Bellini
     + Gisela Motta&Leandro Lima
     + Howie Tsui
     + Motomichi
     + CarlosMagno Rodrigues
     + Ain´t It Cool News
     + Midnight Eye
     + Twitch Film
     + Blog Ilustrada no Cinema
     + Kofic
     + Anthony Kaufman´s Blog
     + Sundance Film Fest
     + Centre Pompidou
     + Pocket Film Festival
     + Blog do Itaulab
     + Rotterdam Film Festival
     + MovieMobz
     + Cinemateca Francesa
     + Unifrance
     + Fundação Japão
::: edições anteriores
     + 2006
::: últimos posts
+  RIOFAN: Rio de Janeiro ganha um Festival de Cinem...
+  Mostra de SP: Babenco está lúcido? Começaram as ...
+  E assim foi, mais um Indie Não sei bem pra quem ...
+ O Indie em imagens Este ano fizemos os Diálogos I...
+  Público X Privado Não me cansei de elogiar o púb...
+ INDIE 2007 - Proposta de Percepção "O Dia Em Que ...
+ O Indie está indo muito bem, obrigada! Com a...
+ INDIE 2007 - Quarto 314 (Room 314) de Michael Know...
+ INDIE 2007 - O Aperto de Mão da Guatemala (The Gua...
+ INDIE 2007 - Mulher Na Praia (Haebyonui yoing) de ...
::: arquivos
 
    Este blog é escrito por:
     + Daniella Azzi
     + Francesca Azzi
     + Fale Conosco