blogINDIE 2006
A Voz

Para aqueles que se aventurarão assistindo "O Orfanato" este fim de semana apenas no intuito de testemunhar a presença nobre de Edgar Vivar - o Sr. Barriga de "Chaves" - uma boa notícia: ele está na melhor parte do filme. A má notícia é que ele está quase irreconhecível, parecendo muito mais o comparsa de Borat do que o afável agiota do seriado mexicano. Mas é ele lá, na telona, num pequeno bom papel (ele aparece, faz alguma coisa e some minutos depois, junto com Geraldine Chaplin). Isso já vale a sessão - ainda que possamos argumentar que seja uma das poucas coisas que justifiquem a sessão.

Há algo que mina o potencial estupendo desta cena para o público brasileiro: ouve-se, se não pela primeira vez (dado o lançamento dos DVDs com som original), a voz original de Vivar - cujo tom mais agudo chega a ser inesperado - mas ainda por cima, ouve-se Vivar com sotaque espanhol. Poderíamos até supor que o ator tenha sido ironicamente dublado para não destoar sonicamente do resto do elenco.

Acho que meu take em cima de "O Orfanato" já está bem estabelecido: o filme me entediou ao nirvana. Mas eu tenho que sugerir algo: se houver uma sessão de "O Orfanato" dublado com a voz do Sr. Barriga como a conhecemos, há alguma chance do filme subir no seu conceito?

Sim.

Por isso, caso seja do seu interesse, eu teria que recomendar a sessão dublada, caso houvesse alguma. Somente a mera idéia de se ouvir a voz do Sr. Barriga (dublada pelo falecido Mauro Villela), associada ao ator do Sr. Barriga, não mais exigindo o aluguel, mas dando uma palestra sobre Jung (!) me atrairia o bastante para tentar retornar ao cinema. Convenhamos: não encontrei muito o que salvar do filme de J. A. Bayona (que, repito, tem estilo de sobra, mas é infectado por uma série de derivações e banalidades sem inspiração, provavelmente impostas pelos grandes nomes por trás da produção) , mas esse possível momento de nostalgia burra automática conseguiria se sobrepôr às deficiências múltiplas das quais sofre o filme. Trata-se de momento de fetiche que faz sentido apenas para quem associa "Chaves" à própria infância (portanto, não dando um aval automático ao filme em base de fixações pessoais, como muitos textos certamente farão) e, por bem ou por mal, é o meu caso de assombração pessoal que acaba se transferindo para o filme, mas não como signo de medo.

Pode parecer saudosismo intransigente, mas esse afeto é fruto nada mais do que da própria natureza do cinema, dessa estranha associação entre imagem e som independentes, desconexos, tornados inseparáveis, indistinguíveis. Ainda prefiro assoistir a todos os filmes que assisti na minha infância dublados. Eu não faço a menor idéia do que seja o Indiana Jones de "Os Caçadores da Arca Perdida" e do "Templo da Perdição" com a voz original de Harrison Ford (assisti "A Última Cruzada" no cinema - e no Metro Boavista, ainda por cima). Stallone? "Você é um imaturo, você é um cocô" forever. E assim vai para Schwarzenegger, Goonies, Gatinhas e Gatões, etc. Ter que assistir hoje a esses filmes na versão original não me parece uma experiência natural, me incomoda horrores, como se uma trilha nova, diferente e dissonante tivesse sido obrigatoriamente imposta sobre os longas. O som "original" (termo que precisa ser colocado em algum cheque, dada a natureza do som no cinema), para quem cresceu com outro som, um som secundário à época da primeira revelação, não poderia ser mais artificial. A natureza do filme é muda e o som uma fundação pós-moldada prevendo dar fluidez aos cortes, profundidade aos planos, credibilidade à ilusão cinematográfica, mas ele não pertence à película naturalmente, originalmente. A película é muda, o som sempre a dubla. Poderíamos portanto dizer que o som original é somente aquele que foi escutado pelo espectador ao assistir a um filme pela primeira vez. Que o espectador tenha sempre a sorte de descobri-los com o melhor som possível.
  Bernardo Krivochein    sexta-feira, março 07, 2008
 
 
[^] ir para o topo
INDIE :: Mostra de Cinema Mundial

Zeta Filmes | INDIE FESTIVAL | 
::: visite o web-site do indie 2006
     + Zeta Filmes
     + Indie - Mostra de Cinema Mundial
     + Fluxus
     + New Directors New Films
     + Plexifilm
     + IndieWIRE
     + Le Cube
     + Jonas Mekas
     + Miranda July
     + Cao Guimarães
     + Moira Hahn
     + Roberto Bellini
     + Gisela Motta&Leandro Lima
     + Howie Tsui
     + Motomichi
     + CarlosMagno Rodrigues
     + Ain´t It Cool News
     + Midnight Eye
     + Twitch Film
     + Blog Ilustrada no Cinema
     + Kofic
     + Anthony Kaufman´s Blog
     + Sundance Film Fest
     + Centre Pompidou
     + Pocket Film Festival
     + Blog do Itaulab
     + Rotterdam Film Festival
     + MovieMobz
     + Cinemateca Francesa
     + Unifrance
     + Fundação Japão
::: edições anteriores
     + 2006
::: últimos posts
+ Um dilema para o fim de semana
+ Compartilhe: Sebastien Tellier - "Sexuality"
+ Compartilhe: Into The Wild O ator Sean Penn não...
+  Para toda uma humanidade (For all Mankind), o hom...
+ VIDEOPOST 25/02
+ O único post que vou utilizar para discutir Oscar ...
+ Precisamos ver os novos filmes japoneses!... e os ...
+  Tropa de Elite influencia brincadeiras de meninos...
+ Manifesto Nueva Sangre procura estimular o cinema ...
+  "Inequivocamente" comprovando a vitalidade do gê...
::: arquivos
 
    Este blog é escrito por:
     + Daniella Azzi
     + Francesca Azzi
     + Fale Conosco