blogINDIE 2006


Greenaway, o cinema não morreu, mesmo que esta preposição não seja tão óbvia assim


Ontem, dia 30, não resisti ao Greenaway. Abrindo o 16o VideoBrasil com sua performance do seu, já quase antigo projeto, "The Tulse Luper Suitcases" na frente do Itaú Cultural esquina com o Sesc, na rua. Quem poderia resistir a presença do diretor de "O Cozinheiro, o Ladrão, sua Mulher e o Amante", "Zoo, um Z e dois zeros" "Afogando em Números", "A Última Tempestade" e "O Livro de Cabeceira", "8 mulheres e 1/2", enfim, todos guardados em algum lugar na lembrança?

As sobreposições de imagens, planos, personagens e registros de escritas verbais de Greenaway questionavam a própria capacidade fílmica do cinema. A tela para ele tinha que ser múltipla, incapaz de conter todas as informações geradas pela sua compulsão em criar um mundo de narrativas referencializadas numa concepção e direção de arte fabulosa, ora renascentista, ora barroca, tudo ao mesmo tempo, revelando personagens emblemáticos. Sabíamos todos que ali estava um conceito de cinema eletrônico no primeiro momento, e de cinema expandido num segundo, passados os anos 80 e 90. A era do live image foi acolhida pelos projetos do cineasta. Tudo bem. Só que agora já se passaram mais 6 anos ou mais! (os live images estão tremendamente desgastados).

E.. ontem primeira frase de Greenaway: "o cinema está morto". Bela idéia, já tão discutida, enfim, o esgotamento da narrativa etc, mas pouco provável. Tudo que havia em sua performance que se fixou na memória, das 3 telas projetadas por este toucher screener compulsivo tem a ver com seu cinema... a montagem, a narrativa não-linear, corre alguns riscos ao clicar numa imagem e não outra, ao ter uma trilha ao vivo e não mixada, mas.. repito tudo que permaneceu como dado estético, como imagem escondida nas nossas retinas para lembrarmos no dia seguinte tem a ver com o cinema. Seus personagens, seus figurinos, seus planos com intensa profundidade, sua verve fetichista, sua abordagem das esquicitices humanas em 92 objetos que representam o mundo... no mais tudo que havia de eletrônico era repetição e ruído que todos nós registramos como um ato déjà vú de um senhor de respeito.
Greenaway envelheceu, e isto é triste de saber. Mas o cinema dele já fez história.

**( foto do Folha Online/Danielo Verpa:Folha Imagem)
  Francesca Azzi    segunda-feira, outubro 01, 2007
 
 
[^] ir para o topo
INDIE :: Mostra de Cinema Mundial

Zeta Filmes | INDIE FESTIVAL | 
::: visite o web-site do indie 2006
     + Zeta Filmes
     + Indie - Mostra de Cinema Mundial
     + Fluxus
     + New Directors New Films
     + Plexifilm
     + IndieWIRE
     + Le Cube
     + Jonas Mekas
     + Miranda July
     + Cao Guimarães
     + Moira Hahn
     + Roberto Bellini
     + Gisela Motta&Leandro Lima
     + Howie Tsui
     + Motomichi
     + CarlosMagno Rodrigues
     + Ain´t It Cool News
     + Midnight Eye
     + Twitch Film
     + Blog Ilustrada no Cinema
     + Kofic
     + Anthony Kaufman´s Blog
     + Sundance Film Fest
     + Centre Pompidou
     + Pocket Film Festival
     + Blog do Itaulab
     + Rotterdam Film Festival
     + MovieMobz
     + Cinemateca Francesa
     + Unifrance
     + Fundação Japão
::: edições anteriores
     + 2006
::: últimos posts
+ Vaza, arregão (Postagem do Festival #4) Vaza. Vas...
+  Está no ar a programação do Indie 2007!! O proc...
+  Postagens de Festival: 1/4 de dia Quando se tem ...
+ RAINDANCE FILM FESTIVAL exibirá filmes simultaneam...
+ Postagens do Festival: Dias 2 & 3 O Festival do R...
+ Postagens de um Festival: Dia 1 É preciso demolir...
+ Padilha exibiu Tropa de Elite como ´tem que ser vi...
+ Festival do Rio 2007: Ausências (confirmadas e ame...
+ O filme "MUTUM" de Sandra Kogut abre o INDIE 2007 ...
+ A Vida em Tempos de Festival do Rio (para não-cari...
::: arquivos
 
    Este blog é escrito por:
     + Daniella Azzi
     + Francesca Azzi
     + Fale Conosco